×
DESTINOS NACIONAIS DESTINOS INTERNACIONAIS CITY BREAK TURISMO E MERCADO FEIRAS EVENTOS HOTELARIA GASTRONOMIA DICAS NEWS BY PR NEWSWIRE ÚLTIMAS NOTÍCIAS PARCEIROS SERVIÇOS QUEM SOMOS - EQUIPE CONTATO
     

Whats Instagram Instagram Facebook
×
ENCONTRE SUA NOTÍCIA

TURISMO-SA - Angela Karam e Camila Karam
DICAS

Em primeiro lugar fique em casa!





dúvidas sobre coronavirus

Camila Karam Por: Camila Karam

Olá pessoal, estamos vivendo um momento sem precedentes na história. Entrevistamos, virtualmente, a Dra. Ludhmila Hajjar para tentarmos esclarecer as principais dúvidas em relação a esta pandemia que está mudando o mundo.

Confira!

Dra. Ludhmila Hajjar - dúvidas sobre COVID-19

Dra. Ludhmila Hajjar | Divulgação


Turismo-SA:  Qual é o tratamento e quanto tempo dura?

Dra. Ludhmila Hajjar: O tratamento do Covid-19 é um tratamento de sintomas, por isso pode ser parecido com o de outras gripes. É preciso hidratar-se, alimentar-se adequadamente e tomar medicações que aliviem sintomas. Porém, quanto ao coronavírus, recomendamos evitar o ibuprofeno até que tenhamos mais estudos científicos sobre a relação entre os dois. Então, tome paracetamol, dipirona e outros analgésicos.


Turismo-SA: Quais cuidados devem ser tomados no isolamento dentro de casa, para não passar para os outros familiares?

Dra. Ludhmila Hajjar: A pessoa infectada deve manter pelo menos 2 metros de distância das outras pessoas, utilizar máscara para evitar que os outros tenham contato com gotículas geradas por secreção, tosse e espirros, e adotar os protocolos de higienização corretos - lavar as mãos com água e sabão várias vezes ao dia e higienizar as superfícies. 


Turismo-SA: O que pode e não pode tomar de medicação?

Dra. Ludhmila Hajjar: O vírus do Covid-19 possui na sua estrutura algumas espículas, que favorecem a sua  introdução nas células do nosso organismo. Sabe-se que essas espículas se ligam a uma enzima chamada ECA-2, Enzima Conversora de Angiotensina 2. Então, já se sabe, de acordo com estudos experimentais, que, quanto maior for o nível desta enzima, possivelmente maiores são as chances de replicação do vírus no organismo.

Experimentalmente, o ibuprofeno aumenta o nível da Enzima Conversora de Angiotensina 2 no organismo. Então, postula-se que tomar ibuprofeno pode aumentar o risco de este indivíduo ter uma infecção grave. É uma hipótese, não é baseado em evidências.

Porém, como pode ser substituído por outros medicamentos que possuem o mesmo efeito, como paracetamol, a recomendação é preventiva. Se possível, não tome até que tenhamos uma evidência clínica.


Turismo-SA: Quais sintomas cruciais para correr ao hospital?

Dra. Ludhmila Hajjar: Corra ao hospital se você tiver cansaço, fadiga, se não estiver conseguindo respirar adequadamente e se tiver febre há mais de 48h.

Já se você for de grupo de risco (idoso, hipertenso, portador de diabetes, de câncer ou de doenças cardíacas ou respiratórias) precisa se cuidar de uma maneira mais intensiva. Ou seja, se estiver começando com febre e tosse ou se começar a sentir falta de ar, o ideal é já procurar um serviço médico.


Turismo-SA: Como sei que estou totalmente curado do coronavírus?

Dra. Ludhmila Hajjar: Habitualmente, é uma doença que demora duas semanas para ser curada. Então, se sumiu a febre, melhorou os sintomas gerais, gripais, parou de tossir, o que normalmente acontece depois do décimo quarto dia, você está curado. Não há necessidade de repetir o exame.


Turismo-SA: Qual a previsão de volta a rotina normal?

Dra. Ludhmila Hajjar: Após duas semanas, a pessoa, normalmente, já está curada e pode voltar a sua rotina. Porém, para continuarmos contendo a expansão do vírus no Brasil, é necessário que todos se engajem no isolamento social. 

Se utilizarmos a expectativa probabilística baseada na China e na Itália, esperamos que essa doença terá seu pico entre abril e maio e que possivelmente teremos controlado a doença em torno de julho.

Dra. Ludhmila Hajjar é coordenadora do grupo de Cardio-Oncologia do Instituto do Câncer e do Instituto do Coração, vice-coordenadora da Pós-Graduação da Cardiologia da FMUSP e coordena a residência em cardio-oncologia da FMUSP. A Dra. é porta-voz da Sociedade Brasileira de Cardiologia, chefia três das maiores UTIs do Brasil e tem um vasto currículo na área médica e educacional.


Postado por
- 23/03/2020 às

Tópicos: Coronavírus - Hospital - bem estar - Tratamento

ENVIE PARA UM AMIGO



Leia mais sobre Dicas

LEIA TAMBÉM: